Av. Brasil, 694 - Centro Faxinal - Pr

prefeitura@faxinal.pr.gov.br

(43) 3461-8000

×

alimentação saudável

Esqueça o que você aprendeu na escola

Sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Última Modificação: 04/01/2017 16:39:13


Ouvir matéria

Esqueça o que você aprendeu na escola sobre pirâmide alimentar e pare de ficar pensando na quantidade de calorias dos alimentos quando vai escolher o que vai comer. Para ter refeições mais saudáveis, o segredo é seguir uma regra simples: mais comida de verdade e menos processados e ultraprocessados. É isso que preconiza o Guia Alimentar da População Brasileira. Será esse o tema da próxima Conferência Nacional de Nutrição e Segurança Alimentar e é também isso que recomenda o jornalista norte americano Michael Pollan, no livro Regras da Comida – um manual da sabedoria alimentar.

Seguir essa regra já é um bom começo para afastar do seu corpo as quantidades nocivas de açúcar, gordura, sal e diversos aditivos químicos – estabilizantes, corantes, espessantes e tantos outros– que têm tornado a sociedade ocidental gorda e também doente. Dados da Organização Mundial de Saúde indicam que 13% da população do mundial está acima do peso. No Brasil, esse porcentual é de 52,5%, de acordo com a última pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), do Ministério da Saúde.

Junto com os quilos a mais, normalmente, vêm uma série de doenças crônicas não transmissíveis. Essas doenças foram responsáveis por 72% das mortes registradas no país em 2011. Só no Paraná, a diabete e os problemas cardiovasculares – doenças normalmente relacionadas ao excesso de peso – foram a causa de 23,8 mil mortes em 2013.

De olho no sal, na gordura e no açúcar

Diminuir a quantidade de alimentos ultraprocessados do cardápio já é um começo para tornar o prato mais saudável. Mas é preciso também maneirar na quantidade de sal, gordura e açúcar que são adicionados nas preparações feitas em casa. Essa também é uma recomendação do Guia Alimentar da População Brasileira.

Fonte: gazeta

 Veja Também