Av. Brasil, 694 - Centro Faxinal - Pr

prefeitura@faxinal.pr.gov.br

(43) 3461-8000

×

VEICULOS

Apesar de tombo nas vendas, fabricantes sobem pre&

Segunda-feira, 15 de junho de 2015

Última Modificação: 05/11/2018 13:22:15


Ouvir matéria

Apesar de tombo nas vendas, fabricantes sobem preços e tentam fisgar clientes com ofertas pontuais. Enquanto isso, consumidor migra para os seminovos

A campanha publicitária da GM dá a dimensão do desespero das montadoras. No comercial de tevê, um coral canta que pediu com fé para São Caetano ajudar a economia; “ele atendeu e um milagre aconteceu”, com “descontos impossíveis”, parcelamentos com juro zero e coisas assim.

 

As redes de concessionárias de várias marcas anunciam promoções de todo tipo na tentativa de atenuar a retração do mercado. Mas, por trás das ofertas de ocasião, as montadoras continuam aumentando preços em meio a uma queda de 20% nas vendas. Com uma estratégia dessas, parecem mesmo estar à espera de um milagre.

Desde o início do ano, o preço médio do carro novo subiu 5% no Brasil, segundo a medição do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em Curitiba e região, o aumento foi de quase 10%. No acumulado dos últimos 12 meses, as altas chegam a 6,8% na média nacional e 13,1% na capital paranaense.

Em entrevista coletiva na semana passada, o presidente da Anfavea (representante das montadoras), Luiz Moan, argumentou que os aumentos se devem à volta da alíquota cheia do IPI, aos reajustes nas faturas de água e energia elétrica e ao encarecimento de peças e componentes importados, decorrente da alta do dólar.

O repasse de custos, que faria sentido nos tempos em que o mercado avançava a passos largos, causa estranheza num momento em que a demanda regride aos níveis de oito anos atrás e os carros estocados nos pátios das fábricas equivalem a mais de 50 dias de vendas.

Esse comportamento pode estar dando fôlego extra ao mercado de carros usados. Depois de cinco anos de crescimento, as vendas de veículos de segunda mão perderam força em 2015, mas seu desempenho chama atenção em meio à recessão econômica e, principalmente, em comparação ao mercado de novos.

 

Fonte: gazeta

 Veja Também