Av. Brasil, 694 - Centro Faxinal - Pr

prefeitura@faxinal.pr.gov.br

(43) 3461-8000

×

educao

Uma lio sobre sustentabilidade

Terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Última Modificação: 05/11/2018 13:54:51


Ouvir matéria

Decreto oficializa o ensino ambiental como disciplina extra no projeto pedagógico das escolas públicas e particulares do Paraná

O ano letivo de 2014 começou com uma novidade para os alunos das escolas do Paraná. A partir de agora, a educação ambiental faz parte oficialmente do projeto pedagógico das instituições, sejam públicas ou particulares. Temas como meio ambiente e sustentabilidade, que já eram abordados pelos professores de maneira espontânea, passam a ter uma orientação formal, com base no decreto assinado pelo governador Beto Richa no fim de janeiro. Ele vale tanto para a educação formal nas escolas quanto para ações de preservação fora do ambiente escolar.

A composição do órgão gestor, que coordenará as ações da Política Estadual de Meio Ambiente, e da comissão responsável por desenvolver e acompanhar a implantação dessas ações será definida amanhã. A normativa atende à Política Nacional de Educação Ambiental, de 1999. Conforme determina a Política Nacional, a educação ambiental não será uma disciplina específica, mas sim um conteúdo extra que pode ser ensinado nas aulas de Ciências, Geografia, entre outras.

É o caso da escola Desafio, da rede privada de Ponta Grossa. Ali, os alunos a partir dos três anos de idade participam do projeto Bichinhos de Jardim. Eles passeiam pelo jardim da escola para aprender quais são os insetos e aves que convivem no pátio. A coordenadora pedagógica da escola, Andréia Schigemori, diz que em todas as etapas o meio ambiente está em evidência. A gestão da escola também tem o foco na preservação. “Não usamos copos descartáveis, e os resíduos dos alimentos são destinados para compostagem”, conta.

Em uma aula com conteúdo de educação ambiental, os alunos do 4.º ano do ensino fundamental aprendem o que é preciso para uma planta sobreviver: água, sais minerais, luz solar e cuidado. “Não podemos arrancar a folha porque machuca a árvore”, diz uma das alunas que coletou folhas caídas no pátio para fazer um cartaz sobre as partes da planta.

Energia solar

O uso da energia solar foi o tema de um trabalho desenvolvido ano passado pelos alunos do 9.º ano do ensino fundamental do Colégio Arthur Costa e Silva, da rede pública, em Ivaí, nos Campos Gerais. Os estudantes fizeram uma maquete da escola e projetaram a captação da luz solar para gerar energia. “Muitos alunos não imaginavam que o sol poderia gerar energia, eles ficaram muito animados”, conta a professora Taciane de Cristo.

Para ministrar o novo conteúdo, no entanto, é preciso estar capacitado. A assessora da Secretaria Educacional da APP-Sindicato, Juliana Costa Barbosa, avalia que a educação ambiental deve estar na grade curricular dos cursos de licenciatura e que o poder público deve oferecer formação continuada aos docentes. “Fiz Pedagogia e cursei educação ambiental como disciplina optativa porque ela não estava entre as obrigatórias, isso deve ganhar uma nova abordagem com o decreto.”

 


Fonte: gazeta

 Veja Também