Av. Brasil, 694 - Centro Faxinal - Pr

prefeitura@faxinal.pr.gov.br

(43) 3461-8000

×

parceria publico-privada

Paran estuda sistema para monitorar veculos

Sexta-feira, 06 de dezembro de 2013

Última Modificação: 05/11/2018 13:59:47


Ouvir matéria

Proposta de PPP prevê instalação de chip eletrônico. Objetivo é evitar furtos de carros, clonagem de placa e inadimplência de multas e tributos

A vida dos motoristas no estado vai mudar se o governo estadual conseguir viabilizar dois projetos de parcerias público-privadas (PPPs) que estão em estudo. Um deles cria o sistema de monitoramento de veículos, com chips instalados nos carros. O outro projeto é para contratar uma empresa para prestar serviços nas rodovias estaduais, incluindo apoio aos motoristas, verificação da conservação da pista e acompanhamento da execução de serviços de reparação. Até agora não há informação de qual será o custo para o contribuinte.

Duas empresas, concorrentes, estão elaborando o projeto de monitoramento veicular. Os detalhes serão apresentados em janeiro ao governo estadual, que poderá fazer alterações. O projeto inicial prevê a colocação, em cada veículo, de placa eletrônica, lacre eletrônico e um “tag”, aparelho semelhante ao usado nos sistemas de pedágio e estacionamento. Atualmente, cerca de 50 mil pares de placas são instalados no Paraná ao mês.

O monitoramento seria uma forma de o Paraná aderir ao Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos (Siniav). Criado há sete anos, o projeto ainda não saiu do papel. Os prazos já foram prorrogados várias vezes. Atualmente, a data limite para adequação é 30 de junho. O objetivo seria evitar clonagens, furtos e roubos de veículos e de cargas, além de auxiliar o planejamento, a fiscalização e a gestão do trânsito e da frota de veículos no Brasil, fechando o cerco contra quem não paga multas e impostos, por exemplo.

Pioneirismo

A CSSB Alumínios foi a primeira a propor ao governo estadual o monitoramento veicular. Fabricante paranaense de 300 mil placas por mês, a empresa afirma que está pensando em um sistema que não fique com custo muito pesado para o contribuinte. “A placa não é tratada como um item de segurança, mas ela é a certidão de nascimento do veículo”, comenta Dalmo Barbosa, diretor comercial e administrativo. Barbosa reconhece que nenhum outro estado ou país utiliza sistema semelhante. “Seríamos pioneiros”, diz. A empresa está em negociação para oferecer projetos também para o Amazonas e Minas Gerais.

A também fabricante paranaense Metalplacas concorre para a apresentação do melhor projeto. Daniel Dallegrave Silva, diretor comercial, destaca que o sistema traria inclusive mais segurança para os proprietários nas relações de compra e venda de veículos. “Ainda não tem uma estimativa de preço, mas estamos trabalhando para ficar na melhor relação custo-benefício porque queremos tornar o projeto viável”, declara. Ambas as empresas afirmam que somente o poder público teria acesso aos dados capturados pelo sistema.

“Controle rodoviário” para ajudar o DER

As rodovias estaduais que hoje não são pedagiadas podem ser monitoradas e ter serviços semelhantes aos prestados pelas concessionárias. A proposta está sendo elaborada por uma empresa paulista e deve ser apresentada no início do ano que vem. “Seria um controle rodoviário, para auxiliar o DER [Departamento de Estradas de Rodagem] nas suas funções, identificando, por exemplo, problemas na pista e na sinalização, veículos que precisam de atendimento mecânico ou motoristas com emergências médicas”, afirma Elton Augusto dos Anjos, coordenador da Comissão de Parcerias Público-Privadas, da Secretaria Estadual de Planejamento. Não estaria definido ainda, no momento, quem faria as obras de reparo. O governo estadual é responsável por aproximadamente 10 mil quilômetros de rodovias – três vezes mais do que o Anel de Integração. O governo estadual pagaria o serviço para a empresa – não seria cobrado pedágio.

Fonte: gazeta

 Veja Também