Av. Brasil, 694 - Centro Faxinal - Pr

prefeitura@faxinal.pr.gov.br

(43) 3461-8000

×

Sade

Nova diretriz altera os limites considerados saudveis de colesterol no sangue

Sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Última Modificação: 05/11/2018 14:02:30

Sociedade Brasileira de Cardiologia baixa de 100mg/dl para 70mg/dl o nível ideal de colesterol LDL em pacientes de alto risco


Ouvir matéria

A partir deste sábado, muitos brasileiros vão acordar com os seus níveis de colesterol no sangue acima do recomendado. Mas isso não significa que as pessoas vão exagerar no consumo de gorduras durante a sexta-feira. É que no dia 28 de setembro a Sociedade Brasileira de Cardiologia apresenta nova diretriz que altera os limites considerados saudáveis de LDL, o colesterol ruim, no sangue.

As novas orientações são mais severas, especialmente com as mulheres. Antes, pessoas com alto risco de doenças cardiovasculares tinham como meta manter os níveis de colesterol LDL em até 100 miligramas por decilitro de sangue. Agora, a luta vai ser ficar abaixo de 70 mg/dl.

As orientações da 5ª Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose para classificar o risco dos pacientes também mudaram, e é neste ponto que as mulheres são as mais atingidas. Até hoje, pessoas do sexo feminino são classificadas como pacientes de alto risco quando têm mais de 20% de possibilidade de infarto, derrame ou insuficiência cardíaca nos próximos 10 anos. Com a nova diretriz, uma chance maior do que 10% já deve acender o sinal amarelo no consultório médico. Esta probabilidade é calculada de acordo com fatores como tabagismo, idade, histórico pessoal e familiar de doenças cardíacas, diabetes, entre outros.

De acordo com Hermes Xavier, presidente do Departamento de Aterosclerose da SBC e editor da nova diretriz, o risco aumentado das mulheres é o que causa mais impacto nas mudanças.

— Nos últimos anos, nós subestimamos o risco cardiovascular da mulher. O estilo de vida feminino mudou e elas têm mais fatores de risco como obesidade, tabagismo e colesterol alto. Há 25 anos, somente uma mulher infartava a cada quatro casos masculinos. Atualmente, nas grandes cidades, esse índice já está quase empatado. Esta situação tem de ser corrigida e a diretriz está olhando para isso — justifica Xavier.

É o caso da técnica em enfermagem Cleuza Siqueira, 51 anos, que há pelo menos sete anos luta contra o colesterol. A chegada da menopausa trouxe também problemas de saúde como a hipertensão e o colesterol alto.

— Tomei medicamento para controlar os índices de LDL por dois anos. Hoje, tento manter os níveis somente com uma alimentação mais regrada e os exercícios físicos, mas estou sempre no limite — conta.

Com as novas diretrizes, os limites de Cleuza se tornam mais severos. E, para atingir as novas metas, há uma consequência: mais pessoas devem receber a indicação de uso de medicamentos para controlar os índices, as estatinas. Segundo Xavier, o aumento na prescrição é visto com bons olhos pela Sociedade Brasileira de Cardiologia.

— Não temos dúvidas de que o uso de estatina vai aumentar, mas temos de conscientizar médicos e pacientes que a meta de tratamento precisa ser atingida. Corrigir o estilo de vida é importante, mas a gente precisa tratar com remédio para chegar na meta, sobretudo aqueles pacientes que estão sob risco — justifica Xavier.

A prescrição das estatinas é justamente um dos pontos de discussão. Xavier argumenta que as recomendações foram baseadas em evidências científicas desenvolvidas desde 2007, data de publicação da diretriz anterior. Entre elas, um estudo da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, com dados de 270 mil pacientes tratados com estatina que alcançaram uma redução importante nos níveis de LDL.

O cardiologista e diretor da Sociedade de Cardiologia do Rio Grande do Sul (Socergs) lembra que o ideal é alcançar uma taxa saudável de colesterol no sangue sem o uso de medicação.

— Quanto mais medicação o paciente toma, mais ele estará sujeito aos efeitos colaterais. É mais fácil a pessoa tomar uma pílula do que mudar os seus hábitos de vida, mas o resultado seria muito melhor — pondera.

A cardiologista Gicela Risso Rocha concorda que a prevenção e os hábitos saudáveis devem ser priorizados:

— Antes de pensar em medicar, temos de alertar para uma mudança no estilo de vida. Os comprimidos são onerosos e ainda causam outros impactos na saúde. Mas, provavelmente, vamos conseguir salvar algumas vidas com esse alerta que chega pela nova diretriz.

Fonte: ClicRBS

 Veja Também